Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

A sabedoria e a inteligência do Câncer

Vídeo do YouTube mega interessante sobre o desenvolvimento do câncer.


Hipótese de Gaia:

Lançada por James Lovelock defende que a terra se comporta como um organismo vivo.
"Não somos meramente uma doença; somos, por meio da nossa inteligência e comunicação, o sistema nervoso do planeta. Através de nós, Gaia se viu do espaço, e começa a descobrir seu lugar no Universo.
Nós deveríamos ser o coração e a mente da Terra, não sua moléstia. Então, sejamos corajosos e paremos de pensar somente nos direitos e necessidades da humanidade, e enxerguemos que nós ferimos a Terra e precisamos fazer as pazes com Gaia."
 James Lovelock


Referência: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=34722



Linfoma

Quando nos referimos ao linfoma, estamos tratando de um grupo de doenças bastante complexo, com características diferentes, dependendo das células em que ocorrem, com causas diferentes, embora sua origem seja de difícil determinação, com graus de evolução da doença específicos para cada tipo linfoma; por isso, nesta postagem iremos citar, de forma geral, os principais tipos de linfomas, de acordo com suas classificações estabelecidas no meio científico, dando a definição básica para cada um deles. Inicialmente falaremos um pouco sobre o sistema linfático, assim o leitor poderá situar-se melhor e entender um pouco dessa doença que atingem uma grande parcela de pessoas em todo mundo.
Linfoma é uma proliferação anormal e descontrolada das células linfóides, linfócitos do tipo B e T, que compõem fundamentalmente o nosso sistema de defesa. Essas células se localizam no tecido linfóide, que forma, conjuntamente com outras estruturas, o sistema linfático - mecanismo de defesa do nosso organismo contra agentes infecciosos como vírus e bactérias. Esse sistema é composto pelos vasos linfáticos, gânglios linfáticos (linfonodos localizados em posições estratégicas no corpo), linfócitos (células residentes nos gânglios) e órgãos associados (timo, medula óssea, baço, adenóides, amígdalas, entre outros).
imagem esquemática do sistema linfático
Por motivos pouco conhecidos, em determinado momento, linfócitos localizados nos linfonodos começam a se multiplicar e a crescer desordenadamente, resultando em um aumento da massa de tecido localizada no gânglio. Estudos associam o desenvolvimento dessa neoplasia a uma resposta imunológica intensa e continua, que pode se tornar muito recorrente, chegando à característica de crônica, desencadeada quando células especializadas detectam um agente infeccioso em nosso organismo; uma ação imediata é realizada por essas células em resposta a um antígeno presente, sinalizando aos linfócitos que se multipliquem para combater a infecção. Essa reprodução excessiva de linfócitos aumenta o grau de erro associado à replicação do DNA celular, gerando nesse caso células mutantes que podem crescer e se multiplicar descontroladamente. O acúmulo progressivo de um único clone de células linfóides, resultante de múltiplas alterações genéticas que ocorrem no genoma da célula, pode levar ao desenvolvimento de um câncer.
Desde os trabalhos pioneiros do Dr. Thomas Hodgkin em 1832, que foi o primeiro estudioso a diagnosticar e relatar a doença, veem tentando se estabelecer sistemas para classificação dos diferentes tipos de linfomas. Em 2001 a OMS lançou a “Classificação da Organização Mundial da Saúde para as neoplasias dos tecidos linfóides e hematopoiéticos”, que atualmente é aceita como padrão para a classificação dos linfomas. A classificação baseia-se em critérios morfológicos e imunoistoquímicos, havendo também forte fundamentação biológica, incluindo-se as mais atuais evidências da genética molecular. Basicamente, os Linfomas são divididos em três tipos principais: Linfoma de Hodgkin, Neoplasia de células linfóides T e NK e Neoplasias de células linfóides B, as duas últimas são agrupas em uma classe de Linfomas não-Hodgkin.


O Linfoma de Hodgkin se caracteriza histologicamente pela presença no linfonodo de células malignas multinucleadas, as chamadas células de Reed-Sternberg, homenagem aos médicos que as descreveram primeiramente; é mais comum na idade adulta jovem, dos 15 aos 40 anos, em maior freqüência entre 25 a 30 anos.


Linfomas Não-Hodgkin são muito mais comuns que os Linfomas de Hodgkin, com surgimentos em outras células do tecido linfóide. Podem ocorrer em qualquer idade e dependendo das células que se tornaram malignas são classificados em subtipos, de acordo com a característica histológica específica em que se apresentam.
Como há inúmeros tipos de linfomas atualmente relatados na literatura médica, neste poste, iremos abordar mais especificamente o Linfoma de Burkitt, descrevendo as alterações celulares e histológicas com um enfoque mais direcionado à biologia celular e molecular e também à bioquímica. Escolhemos esse tipo, pois há diversos trabalhos publicados no meio científico sobre esse linfoma. Somando a isso, existe a ação de um tipo de vírus, no tipo endêmico da doença, com papel relevante na indução da carcinogênese. Para os leitores, será muito prazeroso entender como as proteínas virais agem nas proteínas celulares repressoras de tumores.
Linfoma Burkitt
O linfoma de Burkitt, do tipo não-Hodgkin, apresenta dois subtipos, o endêmico e o esporádico. O tipo endêmico está fortemente relacionado com a área geográfica, sendo bem mais comum em regiões endêmicas de malária na África e estando ligada ao vírus Epstein-Barr.
A doença está relacionada a mutações do gene c-myc, que desempenha papel importante em vários aspectos da biologia celular, incluindo proliferação, diferenciação, metabolismo e apoptose. Um passo na transformação maligna dos linfócitos ocorre pela justaposição de um gene que codifica o receptor das imunoglobulinas (Igs) ou receptor de células T (TCR) com um gene que controla a proliferação e diferenciação celular (aqui, o gene c-myc)1.
1 Revista Brasileira de Cancerologia, 2001, 47(3): 291-01
O que acontece:
 O proto-oncogene c-myc é translocado do cromossoma 8 para os loci dos genes das Igs, no cromossoma 14 e parte das cadeias do cromossoma 14 são translocados para o cromossoma 8.
Devido à translocação:
 A conseqüência é que o gene passa a ser regulado como um receptor imune e não mais como um gene que deve ser ativado e desativado. Então, um potente programa de crescimento celular é ativado, contribuindo para a transformação neoplásica.
A forma de trasnlocação é diferente nos diferentes tipos de Linfoma Burkitt:
 No LB endêmico, a quebra do gene c-myc ocorre a longa distância (5’acima) das seqüências codificadoras e regulatórias do gene e, após a translocação, ocorrem mutações no 1º exon.
 No LB esporádico, o ponto de quebra do c-myc geralmente é próximo ou dentro do primeiro exon, resultando em alteração estrutural ou funcional do gene.
Pontos de quebra no linfoma de Burkitt. A: Gene c-myc normal com 3 exons. B: No LB esporádico a quebra do gene ocorre no exon 1. C: No LB endêmico a quebra é distante das regiões regulatórias e os três exons permanecem intactos; mutações no exon/intron 1 se sucedem. CH , região constante da cadeia pesada; S, região switch; E, segmento enhancer; JH , região joining.
Adaptado de Goldsby, RE; Carrol,WL. J Ped Hematol / Oncol 20:286-296, 1998.


Interação das proteínas do vírus Epstein-Barr:
 O genoma viral é constituído de aproximadamente 100 genes que são expressos durante a replicação, mas somente 10 desses genes são expressos nas células B.
 A diminuição das proteínas virais durante a latência do vírus diminui o número de proteínas que possam ser reconhecidas por células T citotóxicas e permitem a evasão do vírus da destruição pelos mecanismos de defesa do sistema imune.
 A proteína viral LMP-1 é oncogênica e sua expressão resulta no aparecimento de linfomas de células B, além de ligar-se ao Fator de Necrose Tumoral, induzindo a proliferação e linfomas de células B.
Células B sob a influência: a transformação de células B pelo vírus Epstein-Barr. Fonte: Nature Reviews Immunology 3, 801-812 (Outubro, 2003)


Bom, aqui foi um resumo básico, é claro, sobre esse tipo de linfoma, se vocês se interessarem mais a respeito do assunto, temos as referências bibliográficas para pesquisa abaixo.



Referências Bibliográficas:


http://bvsms.saude.gov.br/bvs/sus/pdf/julho/esperanca_cura_linfomas_1307.pdf
http://www.ciencianews.com.br/cien-news/biol-cancer.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Linfoma
Vaux DL, Cory S, Adams JM. Bcl-2 gene promotes haemopoietic cell survival and cooperates with c-myc to immortalize pre-B cells. Nature 1988; 335(6189): 440-2.


Postado por Rafael Fonseca

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Câncer de Laringe


Recentemente foi diagnosticado no nosso ex-presidente, Lula, um câncer de laringe. O tumor é maligno possuindo entre 2 e 3 centímetros de diâmetro e está localizado próximo das cordas vocais, na parte superior da laringe, supraglote, (figura 1). Lula além de beber fumou durante várias décadas e só parou recentemente. Esse tipo de câncer atinge principalmente homens em idades avançadas e é dividido em glótico e supraglótico.
Figura 1- câncer de laringe do ex- presidente Lula 


As principais causas são os carcinógenos do tabaco e do álcool, fatores genéticos,  alimentação, como carne vermelha, pimenta, falta de vitaminas A e C e produtos químicos utilizados na indústria metalúrgica, petrolífera e de plástico. Exemplos de produtos industriais comuns em causar câncer de laringe são o amianto, gás mostarda e ácido sulfúrico. Além dessas causas há estudos que falam sobre o risco do HPV (16 e 18), para esse tipo de câncer. Esses fatores diminuem o revestimento natural da mucosa da laringe e podem causar uma multiplicação celular exagerada. A vitamina C possui um mecanismo de proteção por inibir a formação de compostos N-nitrosos, presentes no cigarro. Já no álcool, estão presentes, entre outros compostos o acetaldeido que pode estar relacionado com a inibição do mecanismo de reparação do DNA. Outro problema que pode gerar o carcinoma de laringe são os refluxos faringo-laríngeo que irritam as células epiteliais e podem causar uma mutação.
Os oncogenes mais relacionados com o câncer de laringe são a ciclina D-1, H-ras, c-myc, EGFR. O gene do receptor do fator de crescimento epidermal (EGFR), localizado em 7p12, codifica um receptor transmembrana que se liga ao fator decrescimento epidermal (EGF), fator de crescimentotransformante alfa (TGF-α) e outras proteínas regulatórias (COLOMBO, J; RAHAL, P; Alterações genéticas em câncer de cabeça e pescoço).
O EGFR participa da ativação da tirosina quinase que esta envolvida no crescimento do tumor por inibir a apoptose e ainda promover a angiogênese e metástase. A ciclina D-1 esta relacionada à metástase em linfonodos. E a expressão da enzima ciclo-oxigenase-2 (Cox-2) contribui estimulando mutagênicos, metástase, angiogênese e inflamações.
O câncer de laringe pode gerar tanto tumores benignos como malignos. Os benignos, normalmente, se localizam no vestíbulo laríngeo e possuem crescimento lento. E os malignos são tumores de células escamosas, por isso são mais freqüentes.
Os sintomas desse câncer incluem rouquidão, dificuldade em engolir, dor de garganta e até dificuldade para respirar. São exemplos de tratamentos a radioterapia, quimioterapia e cirurgia, sendo que esta última só é indicada em último recurso, pois pode deixar seqüelas na fala e na deglutição de alimentos.




REFERÊNCIAS

COLOMBO, J; RAHAL, P; Alterações genéticas em câncer de cabeça e pescoço.   5 agosto. 2008. p. 165-174

BARBÓN, J; BARBÓN, C; MONDINO, M. Cáncer de laringe. Separata 2007. v.15.número 7.

MIRANDA, G; LABRÍN, L. Cáncer de laringe. Abril 2003. v.14.número 2

Postado por: Lara Cristina Ribeiro Pereira

domingo, 4 de dezembro de 2011

Alterações metabólicas no câncer e a caquexia


O câncer gera diversas modificações no metabolismo das proteínas, lipídios e carboidratos. Infelizmente, muitas dessas modificações trazem problemas para o paciente, como a anorexia e caquexia. Abaixo será explicado sobre as mudanças no metabolismo causadas pelo câncer e a indução da caquexia.


A glicólise é a principal via para utilização da glicose na célula e pode utilizar o oxigênio quando estiver presente nela através da cadeia respiratória na mitocôndria ou pode funcionar na ausência dele ( figura 1).
 Figura 1- Glicólise

As células normais utilizam a glicose preferencialmente na via oxidativa (ciclo do ácido cítrico) para obtenção de energia, já nas tumorais a produção de ATP pela glicose é baixa, elas preferem a via metabólica não oxidativa, o ciclo das pentoses, pois elas utilizam preferencialmente a glicose para processos anabólicos, como síntese de nucleotídeos ribose, que são necessários para produção de DNA e RNA (WAITZBERG, D.; NARDI, L.; RAVACCI, G.; TORRINHAS, R. Sindrome da Anorexia e Caquexia em câncer).

As células tumorais possuem uma necessidade muito grande por glicose, já que possuem alta taxa de divisão celular. E geralmente não se adaptam muito bem ao uso de ácidos graxos e corpos cetônicos para a geração de energia. Células tumorais tanto podem gerar energia na presença de oxigênio, como na sua ausência. Nelas ocorre mais produção de ATP pela transformação de glicose a ácido lático, mesmo na presença suficiente de oxigênio, que normalmente geraria piruvato. É muito comum células tumorais em situações de hipóxia, por isso o frequente uso da glicólise anaeróbica. A falta de oxigênio induz a um aumento do fator induzido por hipóxia (HIF-1), que é um dos responsáveis pelo aumento de genes reguladores do transporte de glicose e enzimas da glicólise e é graças a isso que a maioria dos tumores consegue produzir ATP.

Em pacientes com câncer o uso da glicose pelo tecido muscular é reduzido, já que o tumor esta consumindo muita glicose pela via anabólica. Uma consequência disso é a liberação de uma quantidade maior de lactato, que é fornecido para a gliconeogênese hepática. Como o sangue fica mais ácido, ocorre a estimulação do ciclo de Cori, que consiste na conversão de glicose em lactato no musculo, seguida da conversão do lactato em glicose no fígado com gasto de energia do paciente com câncer (figura 2). Essa glicose vai alimentar o tumor. Infelizmente, quanto maior o nível de lactato encontrado em alguns cânceres, como em carcinoma de células escamosas do útero, maior o risco para metástase.  

Figura 2- Ciclo de Cori

Metabolismo lipídico

Algumas das mudanças que ocorrem no metabolismo lipídico no câncer são o estímulo a lipólise e aumento da oxidação de ácidos graxos e glicerol que resultam em quadros de caquexia (intensa degradação do tecido adiposo e protéico) e hiperlipidemia. Por causa da lipólise aumenta a quantidade de ácidos graxos livres, glicerol, VLDL, HDL. As alterações no tecido adiposo ocorrem ou por alterações induzidas por citocinas ou por fatores produzidos pelo tumor.

Uma das citocinas liberadas pelo tumor é a TNF-alfa(fator de necrose tumoral alfa). Ele estimula a lipólise, inibe a liberação de insulina e promove resistência a insulina. Outra substancia produzida pela célula tumoral é o FML(fator de mobilização de lipídios). O FML estimula também a lipólise através da enzima adenilato ciclase por meio de um processo que gasta energia e que também aumenta a quantidade de ácidos graxos livre no sangue, levando a diminuição de tecido adiposo.

A célula tumoral normalmente possui as enzimas do metabolismo dos ácidos graxos, por isso elas conseguem aumentar o seu crescimento controlando a liberação de energia pela beta oxidação na mitocôndria. Entretanto, a célula tumoral prioriza a utilização de glicose, principalmente em tumores de crescimento rápido, por isso os ácidos graxos provenientes da degradação do tecido adiposo são transformados em glicose pela gliconeogênese hepática para produção de ATP.


É comum em pacientes com câncer a perda de massa muscular, ou seja, perda de proteínas. A interleucina-1 ativa a proteólise no músculo esquelético. Com a degradação das proteínas, aminoácidos são liberados e principalmente a alanina e glutamina são captados pelo fígado para iniciar ou regular a síntese de proteínas de fase aguda e gliconeogênese. Para ocorrer a degradação de proteínas é necessário um sinal de um proteína denominada ubiquitina, num processo chamado ubiquitinação.

As alterações no metabolismo podem gerar uma síndrome muito comum em pacientes com câncer, a caquexia ( figura 3). Ela é caracterizada pela perda de peso e de massa muscular e gordurosa, manifestada na forma de anorexia, fraqueza, hipoalbuminemia, hipoglicemia, lactacidemia, hiperlipidemia e intolerância a glicose. A perda de apetite no câncer varia de intensidade conforme o local do tumor. É muito comum em tumores de pâncreas, pulmão e trato gastrointestinal.

Figura 3-  Alterações metabólicas na geração da caquexia
O hipermetabolismo pode ser uma das causas da perda de peso na caquexia, já que as células tumorais captam muito mais glicose que as células normais, tendo que utilizar diversas vias, como lipólise e proteólise, para conseguir maiores quantidades de glicose. Por causa do tumor pode haver liberação de citocinas que podem levar a caquexia. Além disso, os substratos energéticos e protéicos são priorizados para a proliferação celular, que também pode levar ao seu desenvolvimento.



Alterações metabólicas que ocorrem na caquexia.




 

Característica

Caquexia

Glicose

Elevação

Corpos cetônicos

Redução

Síntese protéica de fase aguda

Elevação

Síntese protéica muscular

Redução

Proteólise de proteína muscular

Elevação

Lipogênese

Redução

Lipólise

Elevação

Gasto energético/massa corpórea magra

Elevação




Existem compostos tumorais induzidos por citocinas que são capazes de alterar o metabolismo. Por exemplo, existem compostos capazes de induzir a lipólise, são os chamados fatores mobilizadores de lipídeos (LMF), que por meio da estimulação da enzima adenilato ciclase e do aumento da atividade do receptor beta adrenérgico induzem a elevada atividade cardiovascular. Isso explica a diminuição de gordura corporal e aumento do gasto energético na caquexia. Já para o catabolismo do músculo esquelético, que também leva a caquexia, a responsável é a proteína chamada de fator de indução de proteólise (PIF). Ela atua estimulando a via ubiquitina-proteassoma nas células musculares, o qual é um processo que acelera a proteólise gastando muita energia.

A leptina é um peptídeo secretado pelo tecido adiposo responsável juntamente com o hipotálamo por inibir a ingestão de alimentos e aumentar o gasto energético ativando mecanismos de catabolismo. Portanto, baixos níveis de leptina estimulam o apetite e altos níveis reduzem o apetite. No câncer ocorre o aumento de leptina que gera a inibição da ingestão de alimentos. Entretanto, existem leptídeos que podem estimular o apetite, por exemplo, o neuropeptídeo-Y (NPY). Ele é secretado pelo hipotálamo e além da sua função principal ele estimula a liberação de insulina, galanina, hormônio concentrador de melanina(MCH) e outros. O NPY estimula a lipogênese, aumentando a reserva de gordura. Em células tumorais sua concentração esta diminuída, não ocorrendo assim, esses efeitos. Em oposição ao NPY estão os hormônios melanocortinas: hormônio adenocorticotrofico(ACTH) e o hormônio melanócito estimulatorio(MSH). Eles promovem a inibição do apetite e regulação da temperatura corporal. Em pacientes com câncer, as concentrações desses hormônios estão desreguladas, estando aumentadas. O último regulador de apetite que será apresentado é a grelina. Ela estimula a secreção de GH, importante regulador do apetite e do peso corporal. Em pacientes com a caquexia do câncer a grelina esta diminuída, gerando o sintoma mais comum, a anorexia.



REFEÊNCIAS

 
WAITZBERG, D.; NARDI, L.; RAVACCI, G.; TORRINHAS, R. Sindrome da Anorexia e Caquexia em câncer: Abordagem Terapêutica. In:_____Dieta, Nutrição e Câncer. 1.ed. São Paulo: Editora Atheneu,
2006. p. 334-352

WAITZBERG, D.; TORRINHAS, R.; JESUS, R.; ALVES, C. Alterações metabólicas no Câncer. In:_____Dieta, Nutrição e Câncer. 1.ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2006. p. 277-288

HARRIS, R; CRABB, D. Inter-relações metabólicas. Manual de Bioquímica com Correlações Médicas. 6.ed. Editora Blücher. p. 830-869.

Postado por: Lara Cristina Ribeiro Pereira






sábado, 3 de dezembro de 2011

Angiogênese Tumoral

Apesar de ser uma célula anormal, a célula tumoral continua necessitando constantemente de nutrientes e oxigênio para continuar viva. O tumor continua crescendo até que, em certo momento, o aporte de oxigênio que o nutre não é o suficiente para que continue se expandindo e nutrindo as células tumorais que o constituem. Até este ponto ainda, não se observa uma massa tumoral evidente. Para resolver esse problema suas células emitem um sinal extracelular para que novos vasos sanguíneos sejam gerados e orientados ao tumor com a fim de nutri-lo para continuar seu crescimento. Esse processo é conhecido como angiogênese tumoral.
De uma maneira mais simples, podemos entender como isso acontece fazendo uma comparação. Vamos imaginar uma pequena cidade. Nela tudo funciona bem e todos têm acesso à alimentação e energia elétrica. Como ninguém tem muita dificuldade, sua população começa a crescer cada vez mais. Ela cresce tanto que começa a faltar alimento e eletricidade para alguns. A partir desse momento, é preciso que se tome alguma medida para que se continue crescendo harmoniosamente, sem faltar recursos para seus habitantes. Então, começa-se a investir em novas áreas para gerar alimentos e numa melhor distribuição da rede elétrica. Sendo assim, tomadas as devidas medidas, a cidade pode continuar crescendo sem problemas.
Entendido o porquê do processo, podemos agora ver como ela se desenrola. As células tumorais, ao se verem com insuficiência nutricional, falta de oxigênio (hipóxia) e taxas elevadas de CO2 (gás carbônico) e NO2 (óxido nítrico), são induzidas a produzir algumas proteínas de sinalização extracelular, como VEGF (fator de crescimento endotelial vascular) e bFGF (fator de crescimento fibroblástico básico). O VEGF liga-se à receptores das células endoteliais constituintes dos capilares sanguíneos e estimulam a sua proliferação em direção ao potencial tumor. O bFGF atua da mesma forma em fibroblastos, transformando-os em neoplásicos e também estimulando a nova capilarização.
Análises apontam para a distinção entre três formas de vasos gerados pelo processo. Um com paredes finas derivados de capilares, um sem endotélio e revestido por células tumorais e outro de aparência comum. Além disso, alguns vasos irrigam apenas a periferia tumoral, enquanto outros penetram no tecido doente para nutrir seu interior.
Um fato de grande importância é que, além de nutrir o tumor, os novos vasos gerados acabam se tornando vias por onde algumas das células tumorais podem se espalhar pelo corpo, provocando a conhecida e temida metástase. Por serem células sem muita aderência e pelos vasos criados terem paredes frágeis, facilmente ocorre o transporte destas pela corrente sanguínea.
Percebe-se, claramente, o importante papel da angiogênese na evolução do tumor e no processo metastático. Sendo assim, o uso de fármacos que impeçam a formação de novos vasos para nutrir o tumor estão sendo alvo de pesquisas que prometem ser um grande adversário do câncer. Dentre elas encontramos o Bevacizumab (Avastin ®). Ele é constituído por anticorpos monoclonais que atacam o VEGF e, por isso, combatem a angiogenia.
Quem sabe, no futuro, com novas pesquisas e resultados, possamos entender profundamente como o processo de neovascularização tumoral acontece e possamos ter mais uma ferramenta para combater o câncer?



Postado por Raphael Jinkings

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

O medicamento do momento VICTOZA!!!


Caixa do medicamento victoza

Fabricada pelo laboratório dinamarquês Novo Nordisk, a liraglutida foi lançada no mercado recebendo o nome comercial de Victoza. Atualmente é o medicamento mais falado na mídia e pela própria população, porém sua fama não vem do real motivo da sua criação, atuar como um remédio antidiabético, e sim dos surpreendentes resultados que ele está mostrando como emagrecedor. A liraglutida imita a ação do hormônio GLP-1 (glucagon like peptide-1), produzido e secretado pelas células L do intestino, que está relacionado com a sensação de saciedade e com a produção de insulina. A chegada do alimento ao íleo, parte final do intestino delgado, estimula a síntese de GLP-1. No intestino ele atuará reduzindo os movimentos intestinais de contração, causando um prolongamento da satisfação alimentar. Ao cair na corrente sanguínea o GLP-1 atinge o pâncreas, onde estimula a secreção de insulina pelas células beta. Quanto mais alta estiver a glicemia do indivíduo, maior a intensidade da ação desse hormônio no pâncreas induzindo grande liberação de insulina. Por esse motivo o medicamento Victoza é utilizado no tratamento de diabetes mellitus tipo 2, pois atua como um GLP-1 sintético ficando no corpo por 24 horas , enquanto que o hormônio produzido pelas células L do fígado estende sua ação apenas por 3 minutos. Para os diabéticos a liraglutida estimulará a secreção de insulina por um tempo prolongado, devido à alta glicemia destes, sendo um tratamento eficiente para a doença. Porém, este remédio tem sido largamente utilizado com outra finalidade: a de emagrecedor. Estando esta relacionada ao maior tempo de ação da liraglutida quando comparada ao hormônio natural, ambos estimularão o envio de sinais elétricos ao hipotálamo que interpretará como sensação de saciedade, mas ela permanecerá por um tempo bem mais elevado nos consumidores do Victoza, gerando redução no consumo de calorias com consequente emagrecimento.


Atuação do hormônio GLP-1


As pessoas que estão tomando esse medicamento para emagrecer geralmente não possuem diabetes, mas também não precisam se preocupar com o estímulo da secreção de insulina causada pelo liraglutida, pois quando a glicemia se encontra em níveis normais a produção normal de insulina não é alterada. O laboratório produtor do Victoza está realizando vários testes para ver se a eficácia mostrada pelo medicamento como emagrecedor não é comprometida por algum efeito colateral, que possa representar risco ou dano à saúde dos indivíduos, e para que assim o remédio passe a ser comercializado com tal objetivo. Até o dado momento os efeitos colaterais estão sendo náuseas, dor de cabeça e diarreias, sendo estas apresentadas principalmente no início do tratamento.

E agora relacionando um pouco o medicamento Victoza ao nosso blog.  Nos testes realizados tentou-se observar se existia alguma relação entre a ingestão de liraglutida e o câncer de tireoide. Pois, o hormônio GLP-1 possui a capacidade de se ligar aos receptores de calcitonina das células C da tireoide, e assim aumentam a expressão do gene responsável pela síntese desse hormônio e estimulam sua liberação. Esse quadro pode gerar uma hiperplasia das células C, podendo posteriormente ocorrer uma evolução causando câncer de tiroide. Nos experimentos realizados com roedores ocorreu a hiperplasia das células C, porém quando realizados em macacos não se obteve esse mesmo resultado. Isso pode ter uma provável explicação na menor expressão do receptor para GLP-1 em células C tireoidianas dos primatas, em consequência não se encontrou aumento da liberação de calcitonina em primatas. Nas pesquisas feitas em humanos os resultados são similares aos encontrados nos macacos. De qualquer forma a droga é contraindicada para pacientes com histórico familiar de câncer de tiroide, pois não se sabe ainda qual será a relevância dos resultados obtidos nos ratos para os seres humanos.
O medicamento Victoza é utilizado para o tratamento de diabetes tipo 2. Essa doença se não tratada potencializa o risco de aparecimento de alguns tipos de câncer, como já foi postado em nosso blog no post diabetes e câncer, não deixem de ler. Por isso, podemos considerar que esse medicamento talvez ajude na prevenção do câncer, pois diabetes e obesidade estão relacionadas ao surgimento de neoplasias.

Caneta para aplicaçao do victoza

Fontes: Revista VEJA, edição 2233, n. 36, de 7 de setembro de 2011, p. 98-104, seção Saúde: Menos Sete, Menos Dez, Menos Doze Quilos!


Postado por: Carla Borges Santos

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Cuidado com as paçocas!!!

 
Fungo do gênero Aspergillus
Aflatoxina é um tipo de micotoxina produzida por fungos do gênero Aspergillus, desenvolve-se principalmente em amendoim, milho, nozes, arroz, algodão, entre outros. Atualmente, em média 17 compostos são designados pelo termo aflatoxina, neste post será falado sobre a aflatoxina B1 (AFB1). Esta apresenta alta toxicidade tendo um caráter mutagênico e carcinogênico, que afeta principalmente o fígado. Por isso, a concentração de aflatoxina presente em alimentos derivados do amendoim, por exemplo, começou a ser controlada, no Brasil o limite dessa substância é de 20 mg por quilograma do alimento. A absorção das aflatoxinas ocorre no trato gastrointestinal, porém sua transformação ocorre no fígado durante o processo de detoxificação. Para que os efeitos tóxicos da AFB1 sejam manifestados, ela é ativada metabolicamente no fígado formando o composto 8,9-óxido de aflatoxina B1 ou AFB1-epóxido. Este composto apresenta caráter eletrofílico, logo possui afinidade por sítios nucleofílicos presentes em moléculas como o DNA, RNA e proteínas, reagindo com eles rapidamente através de ligações covalentes. O AFB1-epóxido ao se ligar ao DNA forma adutos, através da ligação dessa substância com guaninas, que são as bases mais susceptíveis a esse ataque. Após sua formação esses adutos podem ser retirados deixando inicialmente sítios vagos no DNA, que posteriormente tendem a ser preenchidos com adenina, consequentemente onde tinha uma guanina agora terá uma timina no lugar. Isso gera um ponto de mutação bastante significativo que pode ser suficiente para a iniciação de um processo cancerígeno. Essa mutação pode alterar a expressão de genes que regulam a diferenciação e o crescimento celular, como genes supressores de tumor. A formação desse aduto pode ocasionar uma mutação, por exemplo, no gene supressor de tumor p53, impedindo a produção da proteína p53. A função dessa proteína é detectar possíveis erros na molécula de DNA, e assim fazer com que eles sejam reparados para que o ciclo celular prossiga. A p53 também atua como ativador transcricional, ativando a transcrição de genes alvos, como o produtor da proteína p21. Essa proteína age como bloqueadora do ciclo celular, e com isso permite o reparo e a eliminação do dano do DNA. Mutações no gene p53 ocasionam perda da sua habilidade transcricional, e a ausência da proteína produzida por ele impedirá o bloqueio do ciclo celular para o reparo de danos no DNA. Isso aumenta a instabilidade genética, pois mutações poderão ocorrer e não serão reparadas, tornando elevadas as chances da célula se tornar neoplásica. O principal tipo de câncer causado pela ingestão de aflatoxinas é carcinoma hepático, câncer de fígado, devido à ativação metabólica dessa substância por esse órgão. Alguns produtos alimentícios a base de amendoim podem vim contaminados com aflatoxinas, a paçoca é um bom exemplo, pois apesar de ser utilizado amendoim torrado para a sua produção, o calor fornecido não elimina a aflatoxina que pode estar presente no amendoim. E para quem gosta de paçoca como eu, fique de olho bem aberto, pois nem sempre as vigilâncias sanitárias cumprem corretamente as fiscalizações. Procure comprar paçocas de marcas mais confiáveis. O exemplo está um pouco antigo, mas em 2004 a anvisa interditou alguns lotes de paçocas que possuíam taxas de aflatoxina acima do permitido, 30 mg/kg. Abaixo está o quadro com os fabricantes que tiveram os lotes de paçocas interditados.


Lotes interditados pela Anvisa

Fontes: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89101997000400011&script=sci_arttext
http://www.cib.org.br/pdf/biotech09.pdf
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422002000500014
http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/amendoim.asp
http://www.anvisa.gov.br/divulga/noticias/2004/290104_2.htm

Postado por: Carla Borges Santos